Foto: Lucas Silva / Amazonastur

Mais de 100 comerciantes, profissionais da rede hoteleira, tricicleiros e representantes dos bois-bumbás Caprichoso e Garantido participaram deste primeiro dia de capacitação do Protocolo Não é Não, em Parintins (a 369 quilômetros de Manaus).

Iniciada nesta segunda-feira (17/06), a parceria entre Governo do Amazonas e o Fundo de População das Nações Unidas ( UNFPA) abordou a escuta qualificada, a abordagem adequada e como cada profissional pode auxiliar mulheres em situação de violência durante eventos. A capacitação segue nesta terça-feira (18/06) para uma segunda turma.

Com um público participativo, a capacitação iniciou às 8h30 e seguiu até às 11h. Mara Santos, representante de uma pousada da cidade, diz que ficou satisfeita com tudo o que ouviu. O treinamento também contou com a parceria da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), que mobilizou os prestadores de serviços da Ilha Tupinambarana.

“Foi melhor do que eu esperava, com certeza vai ajudar muito a todos nós. Nunca aconteceu nenhum caso [de violência] lá na pousada, mas se acontecer já sabemos o que fazer. A gente leva isso pra vida, para tudo”, comentou.

A secretária executiva de Políticas para Mulheres, Lilian Gomes, pontua que a Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) tem uma pasta específica para a mulher e que os trabalhos são intensificados no período do Festival de Parintins.

“A gente vai aplicar o protocolo Não é Não a partir de um processo de sensibilização em bares, hotéis, restaurantes, todos os lugares que venderem bebidas alcoólicas, para que a gente possa garantir que tenham ali pessoas preparadas para o acolhimento de mulheres que se sentem violadas nos seus direitos”, frisou a secretária.

“Durante o festival, nós estaremos aqui presencialmente, de forma massiva apoiando essas pessoas, sensibilizando também a população de que o corpo da mulher, ele não está disponível, Não é Não”, emendou Lilian.

Obrigatoriedade

A partir de 25 de junho, a aplicação do Protocolo Não é Não, fruto da Lei Federal 14.786, será obrigatória em todo o território nacional. O Festival de Parintins será pioneiro na aplicação das medidas em um grande evento.

Débora Rodrigues, representante do UNFPA e responsável pelas capacitações em Parintins e atividades realizadas com os servidores estaduais e da rede de apoio em Manaus, falou sobre a necessidade de capacitar a população.

“A gente explicou o que é o protocolo, quais são os direitos, por que que ele é importante para os estabelecimentos serem mais seguros, como esses estabelecimentos podem também apoiar o poder público, apoiar a rede de proteção para tornar o Festival de Parintins e qualquer outro espaço público mais seguro” explicou a formadora.

“A parceria com Sejusc é fundamental, a gente assinou um termo de cooperação técnica para poder apoiar a secretaria e o Estado do Amazonas durante a aplicação do protocolo, durante o festival, e a gente já é parceiro desde 2019, quando o UNFPA chegou no Amazonas, e a gente pretende expandir essa parceria para poder alcançar cada vez mais pessoas com a promoção dos direitos humanos e a promoção dos direitos das mulheres”, finalizou.

Artigo anteriorEm clima de festival, Boi Caprichoso inicia o translado das alegorias para a concentração no Bumbódromo
Próximo artigoGoverno do Amazonas e Ufam fortalecem cooperação para enfrentamento da estiagem