Presidente da associação de pilotos, Sebastian Vettel foi o primeiro atleta da Fórmula 1 a se posicionar contra a ida da categoria à Rússia nesta temporada devido ao conflito com a Ucrânia. O GP da Rússia está agendado para o final de setembro. As informações são do UOL.

Em um comunicado oficial, a Fórmula 1 afirmou que está “observando de perto os desenvolvimentos bastante fluídos e neste momento não tem nenhum comentário adicional a respeito da corrida que está marcada para setembro. Vamos monitorar a situação de perto”.

O piloto alemão, por sua vez, já decidiu que, mesmo se a F1 correr na Rússia, ele não estará presente. “A minha opinião é que de não devemos ir. Eu não vou. Acho que é errado correr naquele país. Sinto muito pelas pessoas, pessoas inocentes que estão perdendo suas vidas, sendo mortas por motivos estúpidos. Um homem muito estranho e uma liderança maluca”, disse o tetracampeão.

“É algo que vamos discutir, mas a associação de pilotos ainda não se reuniu. Pessoalmente, estou chocado e triste com o que está acontecendo. Veremos o que acontece, mas eu acho que minha decisão está tomada”, acrescentou Vettel.

A declaração do piloto foi realizada durante a coletiva de imprensa realizada em Barcelona, onde a Fórmula 1 faz os testes de pré-temporada. Max Verstappen, atual campeão da competição, estava ao lado de Sebastian na coletiva e afirmou que “quando um país está em guerra, não é certo correr lá. Mas não é uma questão do que eu acho. O paddock tem que decidir o que nós vamos fazer”.

Artigo anteriorHPS João Lúcio pede apoio para localizar familiares de paciente vítima de agressão
Próximo artigoProcon-AM apreende 75 Kg de produtos durante fiscalização em supermercado, em Manaus