Jornalista põe Omar em saia justa e Coronel Menezes o desafia a mostra o passaporte vacinal até o final do dia

Compartilhe

O coronel da reserva do Exército Brasileiro, Alfredo Menezes, integrante empedernido do grupo “Direita Amazonas” e amigo do presidente Bolsonaro, desafiou o senador Omar Aziz (PSD) nesta segunda-feira, 24, a exibir o seu passaporte vacinal até o final do dia de hoje e, baseado em comentário no Twitter do jornalista Alexandre Fernandes, que teria dito: “porém, nem no site da saúde de Manaus nem do Distrito Federal constam o apontamento da vacinação do Senador”.

“Quem está mentindo o jornalista Alexandre Fernandes ou senador Omar Aziz?”.

Omar Aziz reagiu:  “Impressionante como as fake news, as notícias falsas, se alastram tão rápido na internet. O jornalista @arquivoxandy escreve o que quer, a partir de uma base de dados frágil e inconfiável do Ministério da Saúde e muitas pessoas (diga-se o coronel da reserva) tiram como verdade.

O jornalista replica Omar e diz: “Não acusei ninguém de não ter se vacinado, mas tenho prints do ano passado do site da SEMSA que consta que foi agendado a sua 1° dose. Tenho também prints posteriores que confirmam que você não compareceu para se vacinar. Minha informação é de cunho jornalístico, não acusatório, e tenho prerrogativa (art 220 da constituição).

300x250tce

Quem não deve não teme, essa é a verdade nua e crua. Logo, Omar Aziz, independentemente de responder ou não ao desafio do coronel da reserva, tem o dever moral, a obrigação republicana de apresentar imediatamente o seu passaporte de vacinação ao povo do Amazonas e do Brasil que apostou todas as suas fichas na seriedade e da defesa enfática do presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) em favor da vacina conta o covid-19.

Demorar um segundo apenas é injustificável, atesta não o que o jornalista denunciou mas os dados obtidos do site da SEMSA.

Processar o jornalista, como promete Omar, sem apresentar o cartão vacinal, não vai apagar nem as informações do site da Semsa tampouco o print  feito pelo jornalista. Quem não deve não teme.