Antônio Marcos (no detalhe) foi preso em Curitiba ele é acusaro de matar Silvane dos Santos, em Manaus (Montagem Fato Amazônico)

Antônio Marcos de Araújo Costa, 31 anos, preso na segunda-feira (24) pela Polícia Civil do Paraná, no bairro Tatuquara, em Curitiba, é o principal suspeito de estrangular a jovem Silvane dos Santos Costa, 25, em Manaus. De acordo com o delegado Ricardo Cunha, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, o acusado morava no mesmo prédio da vítima, sendo assim vizinho da jovem e, de acordo com a polícia, o crime é passional.

A jovem foi encontrada morta no último dia 11, dentro de um apartamento na rua Cristovão Colombo, no bairro Nova Esperança, na Zona Oeste da capital amazonense.

“O autor trata-se de um vizinho. Uma pessoa que morava no mesmo prédio da Silvane. Uma pessoa que morava em um andar diferente. O prédio tem três andares, nove unidades habitacionais e ele residia em um desses apartamentos junto com familiares”, disse delegado, informando suspeito observava a chegada e saída da vítima todos e era obcecado por Silvane dos Santos.

Ricardo Cunha disse que Silvane foi encontrada morta dentro do próprio apartamento, sem calcinha, o que sugere que ela também foi estuprada. O delegado explicou que o crime não teve testemunhas e nem câmeras de segurança que registraram a ação.

Antônio Marcos ficou na varanda do apartamento e observou a vítima por oito vezes no dia do crime. Silvane foi vista pela última vez no dia 10 de outubro, às 16h, quando estava retornando de um salão de beleza.

“Ele espreitou a vítima quando ela saia de casa, retornava para casa, quando ela chegava na companhia de outra pessoa, quando ela se deslocou para o salão de beleza que fica próximo da residência. Todas essas vezes ele estava na varanda da sua casa observando essa moça”, contou o delegado em coletiva, informando que a vitima morava no terceiro andar e o acusado no segundo e por isso sempre observava Silvane chegar no prédio.

Ao ser preso em Curitiba, Antônio Marcos, que é casado, disse aos policiais paranaenses, de que teria um caso extraconjugal com a vítima.

Mas de acordo com o delegado Ricardo Cunha, que preside o inquérito em Manaus, essa versão foi descartada. Ele disse não ter qualquer tipo de informações que sugiram que os dois tinha um caso ou se quer uma amizade.

“A vítima estava apenas há três meses no local. Não temos fotos e nem pessoas que viram eles juntos. Trata-se de um crime passional. Uma pessoa que era obcecada pela sua vizinha, que desejava sua vizinha e foi ao extremo. Como não conseguia uma aproximação com ela, ele retirou sua vida”, acrescentou o delegado, agradecendo a parceria com a Polícia Civil do Paraná que resultou na prisão e elucidação de mais um caso de homicídio em Manaus.

Moradores de Urucará protestam pedindo justiça pela morte de Silvane Santos encontrada morta em Manaus

Artigo anteriorArrecadação federal atinge R$ 166,2 bilhões em setembro
Próximo artigoOperação da PF combate divulgação de pornografia infantil