No dia 19 de junho deste ano, às 10 horas, o procurador-geral adjunto (antigo subprocurador) da Câmara Municipal de Manaus (CMM), Ruy Silvo Lima de Mendonça, foi denunciado formalmente de importunar com indisfarçável, jocoso e agressivo cinismo uma jovem cidadã que desempenha as suas atividades profissionais no mesmo lugar ocupado por seu assediador.

Está no processo administrativo Nº 2024.10000.10718.0.002348 para quem quiser ver que Ruy Silvo Lima de Mendonça foi impetuosamente ardiloso na sua condição de Don Juan de quinta categoria ao tentar seduzir no seu ambiente de trabalho a sua indomável presa.

Além dos beijos pegajosos sem consentimento, roubados, portanto, Ruy Silvo Lima foi impiedoso, cruel, e na sua matreirice vulgar e nefasta de sedutor usou de todo o seu asqueroso repertório para encurralar e cravar suas garras peçonhentas à sua presa com promessas de viagens, passeios, jantares, etc., etc., etc. e tal.

Na Câmara Municipal de Manaus lá está ele todo prosa em uma das salas da Procuradoria-Geral do órgão como se nada tivesse acontecido.

A funcionária depôs a uma comissão constituída por Eloi Pinto Andrade Junior, na condição de presidente, Hiléia Tereza dos Santos Torres, secretária e Sintia Mara Pessoa Medeiros, membro.

Em nota encaminhada ao Fato Amazônico, a Câmara confirmou a abertura do procedimento de sindicância para apurar o suposto assédio determinado pelo presidente da casa vereador Caio André.

Diz a nota ainda que a servidora que formalizou denúncia contra o procurador foi redirecionada para o gabinete da vereadora Yomara Lins (Podemos), vice-presidente da CMM.

NOTA da CMM

A Câmara Municipal de Manaus (CMM) confirma que abriu o procedimento de sindicância para apurar suposto assédio envolvendo um de seus procuradores. Tão logo tomou ciência do caso, o presidente da Casa Legislativa, vereador Caio André (União Brasil), determinou a abertura imediata da investigação interna.

A CMM informa que a servidora que formalizou denúncia contra o procurador foi redirecionada para o gabinete da vereadora Yomara Lins (Podemos), vice-presidente do Parlamento Municipal.

O procurador Eloi Pinto de Andrade Junior, presidente da sindicância, solicitou a prorrogação, por mais 30 dias da investigação, tendo em vista a necessidade de ouvir as testemunhas do caso, além do prazo que será aberto para defesa do acusado, que neste caso, é de no mínimo 10 dias.

A CMM reforça que não compactua com qualquer tipo de conduta que cause exposição e/ou constrangimento de mulheres ou qualquer servidor da Casa Legislativa, e aguardará a conclusão da comissão para que novas ações formais e legais sejam adotadas.

Manaus, 09 de julho de 2024

Diretoria de Comunicação da CMM

Artigo anteriorEx-Menudo morre aos 48 anos e coincidência chama atenção
Próximo artigoArgentina vence o Canadá e é a primeira finalista da Copa América