Reprodução/Metrópoles/Avaí FC

O Ministério Público de Goiás (MPGO) deflagrou uma operação nesta terça-feira (28/11) que apura suspeita de fraude nos resultados de sete partidas de futebol, sendo uma delas do Avaí contra o Flamengo, pela Série A do Brasileirão de 2022. O jogo aconteceu no dia 12 de novembro do ano passado, última rodada da competição, e a atuação da máfia das apostas na partida já havia sido revelada pelo Metrópoles em maio.

Diálogos que constam na investigação mostram a atuação da máfia na partida em questão, na qual o Avaí, que já estava rebaixado, venceu por 2 x 1. As provas estão no celular de Romário Hugo dos Santos, ex-jogador do Palmeiras conhecido como Romarinho e que já é réu por envolvimento no esquema.

Ele é apontado como um dos chefes do grupo, responsável por aliciar jogadores e financiar as apostas.

Em uma das conversas entre ele e uma pessoa chamada Beatriz, ele avisa que teria que viajar ao Rio de Janeiro, onde ocorreu a partida, naquela mesma noite, às vésperas do jogo. “Vou precisar ir lá no Rio de Janeiro, mano. (…) Eu arrumei uma parada lá pra uns caras aqui. Vou precisa ir lá. (…) Jogador. Vou ganhar agora 150 mil. Mais as apostas”, escreveu.

Cerca de uma hora depois, ele envia uma mensagem intitulada “Operação Avaí X Flamengo”. O grupo criminoso chamava de “operação” as ações de manipulação das apostas esportivas.

“OPERAÇÃO AVAÍ x FLAMENGO
2 zagueiros e 1 goleiro
TOMAR 5 GOLS
R$ 800.000,00 Adiantado!
No pix, na hora.
Encontrar MARLON (meu fechamento) junto aos jogadores, no HOTEL HILTON COPACABANA às 7:00 da manhã!”

Nesta partida, um dos zagueiros do Avaí abriu o placar marcando um gol contra, aos 42 minutos do primeiro tempo. Não se sabe ainda se há alguma relação deste gol com a máfia de manipulação das apostas esportivas.

Ainda em maio, a coluna do Rodrigo Rangel, do Metrópoles, mostrou que “Marlon” citado por Romarinho na mensagem é Marlon Bruno Nascimento da Silva, um ex-jogador de futebol. O Hilton Copacabana, também citado na mensagem, foi o hotel onde a delegação do Avaí estava hospedada no Rio.

Na época, após ser procurado pela coluna, Marlon confirmou que foi ao hotel para encontrar “um amigo”, e negou que tenha falado com jogadores do Avaí. Após insistência nas perguntas, ele desligou o telefone.

Em nota enviada na ocasião, o Avaí afirmou que não tinha qualquer relação com Marlon Bruno e que nunca tomou conhecimento de qualquer tentativa de manipulação da partida contra o Flamengo.

Penalidade Máxima: operação contra suspeita em resultados de jogos

Esta é a terceira fase da Operação Penalidade Máxima, do MP-GO, que apura a atuação de uma máfia das apostas nos jogos de futebol. A investigação aponta que o grupo aliciava jogadores para que cometessem faltas, com cartão amarelo e vermelho, e marcassem gols. Combinando as ações, o grupo fazia apostas em sites e faturavam altas quantias.

As primeira e segunda fase foram deflagradas em fevereiro e abril deste ano, e resultaram em três denúncias e 32 pessoas acusadas de crimes de integrar o grupo criminoso. A investigação fomentou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara dos Deputados, encerrada em setembro sem votação do relatório final.

A operação desta terça-feira cumpre 10 mandados de busca e apreensão em oito municípios de cinco estados. Além do jogo do Flamengo, confira as outras partidas em investigação por suspeita de fraude nos resultados:

  • Náutico x Sampaio Corrêa, pela Série B do Brasileirão de 2022
  • Náutico x Criciúma, pela Série B do Brasileirão de 2022
  • Goiânia x Aparecidense, pelo Goianão de 2023
  • Goiás x Goiânia, pelo Goianão de 2023
  • Nacional x Auto Esporte, pelo campeonato paraibano de 2023
  • Sousa x Auto Esporte, pelo campeonato paraibano de 2023

Com informações de Metrópoles.

Artigo anteriorFinlândia anuncia fechamento de todas as fronteiras com a Rússia
Próximo artigoPrefeitura realiza abertura do 2º Festival Literário de Manaus reunindo escritores e leitores no teatro e na praça