Foto: Reprodução/Freepik

Dietas vegetarianas, que excluem a carne animal, e veganas, que também retiram do prato os derivados, como ovos e leite, estão associadas a uma redução “significativa” do colesterol no sangue. É o que mostra um novo estudo publicado na revista científica European Heart Journal, que aponta o benefício no organismo semelhante ao das estatinas – medicamentos utilizados para diminuir o colesterol.

“Descobrimos que as dietas vegetarianas e veganas estavam associadas a uma redução de 14% em todas as lipoproteínas que obstruem as artérias. Isso corresponde a um terço do efeito de tomar medicamentos para baixar o colesterol, como as estatinas, e resultaria em uma redução de 7% no risco de doença cardiovascular em alguém que manteve uma dieta baseada em vegetais por cinco anos”, afirma Ruth Frikke-Schmidt, médica-chefe do hospital Rigshospitalet em Copenhague, na Dinamarca, que conduziu o estudo, em comunicado.

Embora o potencial seja menor, ela destaca que os achados significam que combinar as duas estratégias pode ser uma boa ideia para aqueles que sofrem com altos níveis de colesterol. “Um regime não exclui o outro, e a combinação de estatinas com dietas à base de plantas provavelmente terá um efeito sinérgico, resultando em um efeito benéfico ainda maior”, diz.

Os achados são resultados de uma análise de 30 estudos randomizados realizados de 1982 a 2022, que englobaram um total de 2.372 participantes. Os trabalhos avaliaram o efeito de dietas baseadas em plantas em comparação à alimentação com carne para todos os tipos de colesterol, triglicerídeos (gordura) e apolipoproteína B (apoB), que é um indicador de colesterol e gorduras ruins no sangue.

Nas pesquisas, os voluntários foram divididos entre os dois tipos de dietas e acompanhados durante um período que variou entre 10 dias e cinco anos. A análise de todos os trabalhos indicou que a alimentação vegetariana ou vegana proporciona uma redução média de 7% nos níveis de colesterol total, de 10% nos de LDL (colesterol considerado ruim) e de 14% nas taxas de apoB.

Artigo anteriorCampanha “Pescador Legal” do Governo Federal será lançada no Amazonas nesta sexta-feira (26)
Próximo artigoProduções amazônicas são destaque do Cineclube de Arte deste sábado (27/05)