30.3 C
Manaus
terça-feira, 18 de junho de 2024

Grupo Puxirum apresenta espetáculo que expressa tradições de comunidades ribeirinhas no Teatro Gebes Medeiros

Com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, o Grupo Puxirum, palavra símbolo da união e do trabalho coletivo, é retratado em sua forma mais autêntica em uma apresentação gratuita nesta quarta e quinta-feira (05 e 06/06), às 19h30, no Teatro Gebes Medeiros, na avenida Eduardo Ribeiro, antigo Ideal Clube, bairro Centro, zona sul.

O espetáculo conta com 32 artistas: 15 músicos e os demais compõem a parte cênica e da dança, apresentando os mais diferentes momentos do mutirão – esse é o significado da palavra Puxirum –, desde a preparação até a finalização do trabalho, revelando a importância da cooperação e da ajuda mútua na vida da comunidade. Além da presença especial dos mestres Iracito e Ismael Pinheiro que também darão destaque à sua luta contínua na preservação das tradições e de sua morada, a floresta.

De acordo com o coordenador do grupo e também produtor musical Waldemir Neto, o espetáculo é inédito e faz imersão nas raízes amazônicas, por meio de pesquisa de cunho científico de elementos culturais e artísticos com o objetivo de celebrar e preservar as tradições de músicas regionais com o lançamento do grupo Memorial Puxirum, integrando bioinstrumentos com os instrumentos tradicionais.

“Uma iniciativa de impacto que visa vivenciar as tradições e os elementos culturais e artísticos da Amazônia, por meio da coleta, transcrição e reprodução de um rico repertório de músicas autorais regionais, beiradão, gambá e instrumental, mesclando com os sons da floresta, encantando o público com os cordões de pássaros e boi de terreiro”, define o coordenador do grupo.

Segundo ele, a apresentação será uma aula sobre a Cultura Amazônica, expressando a identidade, o pertencimento, a memória, a tecnologia ancestral, as festividades, as narrativas amazônicas e o imaginário caboclo, num diálogo intercultural de valorização e preservação da Amazônia, do meio em que se vive, da Cultura e da Educação.

A Força da Comunidade

A história gira em torno da união da comunidade para realizar um puxirum, fazendo uma imersão nas manifestações culturais em suas festividades, os cordões de pássaros, apresentação do boi de terreiro, o beiradão, poesias que retratam a conexão do homem com a natureza.

Todas essas manifestações culturais fazem parte do universo dos povos da Amazônia. Assim, unidos por um objetivo comum, os membros da comunidade se reúnem para celebrar a vida, a cultura e a ancestralidade.

A Jornada de um Jovem

A narrativa acompanha a jornada de um jovem, que sai de sua comunidade para estudar e retorna com a titulação de doutor, em busca de suas raízes. Ao lembrar do puxirum, ele se conecta com a história de sua família e com a cultura de sua comunidade, descobrindo a importância da preservação da memória ancestral.

Celebração da Vida e da Cultura

Memorial Puxirum é uma ode à vida e à cultura ribeirinha. Através de cantos, danças (cordões de pássaros: jaçanã, bem-te-vi, garcinha, guará, corrupião, beija-Flor, tucano), o boi de terreiro, rituais e ritmos (beiradão, gambá, instrumental e regional), o espetáculo celebra a beleza da natureza, a força da fé e a alegria do povo.

Reflexões sobre o Futuro

O espetáculo também convida o público a refletir sobre o futuro da comunidade ribeirinha em um mundo em constante mudança. O Memorial Puxirum destaca a importância de manter viva a cultura e as tradições, valorizando a ancestralidade como base para a construção de um futuro próspero.

Uma Celebração da Vida

Memorial Puxirum é mais do que um espetáculo, é uma celebração da vida, da cultura e da ancestralidade. Uma experiência única que conecta o público à rica tradição da comunidade ribeirinha da Amazônia.

Artigo anteriorNo Dia Mundial do Meio Ambiente, sistema Sepror promove ações voltadas à sustentabilidade
Próximo artigoFestival de Parintins: servidores recebem capacitação do Unicef e Unfpa para combate às violências contra mulheres e crianças